A certificação em LGPD está saturada no mercado?

Certificação LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) entrou em vigor há dois anos e já faz parte da rotina de quase todos os profissionais de TI. Neste contexto, surgem alguns questionamentos de quem pretende continuar atuando na área ou quer começar nessa nova jornada, como é o caso de: ainda vale a pena investir em certificação LGPD? Este é um conhecimento já saturado no mercado? 

Para responder a essas perguntas e também observar a importância ou não da especialização da LGPD para o encarregado do tratamento de dados nos negócios (DPO), a ESR convidou o especialista Leandro Pfeifer Macedo para ministrar seu novo webinar técnico. 

No evento online “Certificação LGPD – Ainda no TOPO?”, o profissional aborda a legislação no cenário atual, além de perspectivas para a atuação no presente e futuro dos oficiais responsáveis pela segurança de dados.

Continue conosco para conferir os principais pontos abordados neste conteúdo audiovisual da Escola Superior de Redes. 

Como está a LGPD atualmente? 

Para compreendermos se uma certificação LGPD ainda faz sentido para o know how de um profissional de TI, devemos estudar quais transformações foram possíveis a partir da sua implementação. Como dissemos, a LGPD foi promulgada em 2018 e após dois anos entrou em vigor efetivamente, em agosto de 2020.  

De lá para cá as empresas tiveram oportunidade de se adaptar, garantir a conformidade dos seus canais de comunicação com a lei e estabelecer uma estratégia de tratamento de dados pautada nas exigências da norma. 

Agora, com os ciclos de fiscalização da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) ativos e realizados desde janeiro, os negócios estão aptos a receberem sanções em caso de descumprimento das demandas legais. 

Diante disso, de acordo com o levantamento “Seusdados”, divulgado em fevereiro deste ano, a Legaltech identificou que as demandas de governança e de proteção de dados no mercado corporativo cresceram  554% somente em 2021.

Para o especialista Leandro Pfeifer Macedo esses dados corroboram o que se vê na prática em relação à LGPD: embora haja um aumento considerável de investimentos nesta área e muitos profissionais tenham assumido a responsabilidade pelas consultorias e processos de adequação à lei, 

Segundo Macedo, o atual momento é marcado por empresas que ainda não fizeram nenhuma adaptação à LGPD e por aquelas que enfrentam o chamado reboot – insatisfação com o serviço de adequação realizado anteriormente. 

Isso por si só já demonstra que as certificações relacionadas exclusivamente à LGPD diferenciam um profissional de TI no mercado, certo? Mas, outros fatores contribuem para que a especialização seja não só uma aposta, como uma realidade de carreira. 

A Regulamentação do DPO (oficial de proteção de dados pessoais). 

Dentre os outros fatores que refletem na demanda por certificações em LGPD está a regulamentação da atuação do profissional DPO/Encarregado pelo Tratamento de Dados na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO).

O registro da ocupação identifica os encarregados pela proteção de dados pessoais. Ou seja, são os profissionais que planejam processos administrativos, financeiros, de compliance, riscos e de proteção de dados pessoais e privacidade. Devem gerenciar pessoas, rotinas administrativas e financeiras, além de administrar riscos, recursos materiais, serviços terceirizados e canais de denúncia. 

Além disso, os DPO (Data Protection Officer) participam da implementação do programa de compliance e/ou governança em privacidade, monitorando e avaliando o cumprimento das políticas do programa, normativas, códigos de ética, procedimentos internos e parceiros de negócios. Também identificam situações de risco e propõem ações para mitigação dos mesmos.

A partir dessa legitimação do Ministério do Trabalho (1421-35), a profissão de encarregado passa a contar com um escopo definido, evidenciadas as características gerais deste exercício, bem como divulgada a necessidade de formação e experiência técnica para sua execução. 

O documento CBO também deixa claro quais competências pessoais são requeridas na função. Dentre elas: visão organizacional global, liderança, capacidade de decisão, demonstrar versatilidade, persuasão, empatia, proatividade, fundamentação em capacidade de gerenciar riscos, etc.  

Há ainda a discriminação das áreas de atividade desse profissional e quais capacidades técnicas ele precisa ter. 

Portanto, conforme versam os documentos oficiais acerca da função de encarregado/DPO, para exercer tal profissão é necessário investir em capacitação específica para LGPD.

Como está o trabalho do DPO nas adequações à LGPD em 2022? 

Após garantir a certificação e cumprir as demandas registradas no CBO, uma das tarefas do oficial encarregado pela proteção de dados será o processo de adequação à LGPD. 

No fim de 2020, uma pesquisa da BluePex, organização que desenvolve projetos de segurança da informação, identificou que apenas 2% das PMEs (pequenas e médias empresas) acreditavam estar devidamente preparadas para seguir as novas normas da LGPD. 

Em março de 2022, dois anos depois, a terceira edição desse mesmo levantamento da BluePex  viu que o cenário não mudou muito. No novo estudo, apenas 15% das PMEs se consideram preparadas para trabalhar de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados. 

No setor público, de acordo com acórdãos do TCU, tal situação formas ainda mais desafiadoras. Neste ano, dos 382 órgãos auditados, foram compiladas as seguintes informações:

  • 76,7% não adotam LGPD;
  • 24% não tem política de SI (segurança da informação intrinsecamente ligada à LGPD)
  • 70% não tem plano de capacitação em PD (destes 30% que tem PC, 46% não acham necessário);
  • 61% não avaliaram a necessidade ou não da retenção dos dados;
  • 51% não avaliaram se coletam só o necessário 
  • 82% não possuem política de Proteção de Dados Pessoais ou similar 

Ou seja, embora as empresas tenham tido um intervalo de tempo para se adaptarem à LGPD, pouco foi feito até aqui. Além disso, mesmo que haja uma quantidade considerável de profissionais para realizarem ações conectadas a adequação à norma e à segurança de dados, ainda não é suficiente e não há qualificação técnica adequada para tanto. 

Portanto, existe demanda e espaço para que profissionais de TI busquem especialização e certificação em LGPD. Inclusive, como deixamos claro acima, essa é uma necessidade da função de DPO, regulada pela Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), através do Ministério do Trabalho (MTE). 

___________________________________________________________ 

O webinar da ESR com o especialista Macedo ainda explana os desafios do profissional DPO na atualidade, como a adequação a toque de caixa, baixo investimento em segurança de informação, governança baixa, o encarregado responder por riscos que não tem o poder de mitigar, além das inovações tecnológicas blockchain, metaverso, inteligência artificial, entre outros aspectos. 

A certificação LGPD continua no topo, pois há a demanda de profissionais com conhecimento e a devida capacidade técnica. 

Confira o evento gratuito e online na íntegra aqui!

0 0 votações
Article Rating
Inscrever
Notificar
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x
()
x